Você sabe as diferenças entre o Fluxo Analógico e o Fluxo Digital?
Dentistas sempre utilizaram o Fluxo analógico para confeccionar próteses e etc, porém, nos últimos anos a odontologia digital evoluiu e modificou completamente o modo de obter registros. Leia!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A maioria dos dentistas ainda utilizam o Fluxo Analógico nos consultórios para confeccionar próteses, placas para bruxismo, guias cirúrgicos, etc. A moldagem dos tecidos duros e moles foi realizada pelo mesmo processo durante décadas, com modificações maiores ocorrendo especialmente nos materiais de moldagem utilizados. Nos últimos anos a odontologia digital evoluiu e modificou completamente o modo de obter registros e realizar planejamentos em consultórios de todo o mundo.
O Fluxo Digital trouxe mudanças drásticas no modo de trabalho dos dentistas, exigindo uma nova curva de aprendizado para que clínicos utilizem uma série de novas ferramentas que estão a disposição para facilitar a rotina clínica. Nesse texto, apresentaremos as principais diferenças entre o Fluxo Analógico e o Digital, e porque você deve ficar de olho nessas novas tecnologias que podem mudar – para melhor – o modo de trabalho dos dentistas.

Como Funciona o Fluxo Analógico?

O Fluxo Analógico envolve principalmente o uso de materiais de moldagem, como o uso rotineiro de alginatos e elastômeros para copiar as estruturas dentais dos pacientes. As moldagens com elastômeros ou silicones de adição e condensação (como os da Linha Scan e Reflex da Yller) são realizadas mundialmente na maioria dos consultórios, apresentando precisão e estabilidade.
Apesar de ser possível confeccionar moldes de excelente qualidade, se mal manuseados podem apresentar problemas como a baixa reprodutibilidade das margens dos preparos, o rasgamento de algumas áreas do molde, a presença de bolhas e de debris impregnados no material de moldagem, bem como a inadequada distinção das margens dos preparos com o tecido gengival após o vazamento do gesso. A obtenção de um molde de qualidade vai depender de uma série de fatores, que incluem a habilidade e o conhecimento do profissional na moldagem, a possível distorção do molde, a correta desinfecção em solução antiséptica, a separação parcial ou total do molde da moldeira, o transporte adequado até o laboratório em diferentes condições climáticas, entre outros.
De maneira geral, o fluxo analógico para confecção de uma prótese envolve a moldagem das estruturas dentais e a obtenção do molde, o encaminhamento para o laboratório de prótese, a obtenção do modelo (que pode ser no próprio consultório), a confecção da prótese, seguido dos ajustes necessários e instalação da prótese pelo dentista. Esse processo pode variar de acordo com o caso, mas majoritariamente envolve uma série de etapas clínicas e laboratoriais, sendo utilizada inclusive para obtenção de placas miorrelaxantes, guias cirúrgicos, entre outros.

fluxo digital

Como Funciona o Fluxo Digital?

O Fluxo Digital envolve um processo que visa a obtenção de um molde “digital” do paciente, seja da cavidade oral ou até mesmo da face. A partir da evolução das tecnologias para escaneamento intraoral foi possível desenvolver sistemas de moldagem odontológica digital. O Fluxo Digital engloba um método de moldagem baseado em sistemas de criação e produção auxiliada por computador que permitem imprimir modelos tridimensionais com alta fidelidade de cópia e riqueza de detalhes. As imagens 3D são obtidas através do escaneamento intraoral da cavidade bucal e da Tomografia Computadorizada de Feixes Cônicos, ou mesmo a partir do escaneamento do modelo pelo laboratório de prótese.
São utilizados softwares para auxiliar no planejamento do tratamento, bem como impressoras 3D ou sistemas de fresagem e usinagem de cerâmicas, que através da prototipagem permitem a produção de modelos, guias cirúrgicos, restaurações ou próteses provisórias e definitivas. A impressão 3D para prototipagem permite um fluxo de trabalho muito mais fácil e em curto espaço de tempo. (Saiba mais sobre Fluxo Digital clicando aqui)

fluxo digital

Fluxo Analógico VS. Fluxo Digital

O Fluxo Digital apresenta uma série de diferenças do Fluxo Analógico, pois muda a forma como uma prótese ou um guia cirúrgico são confeccionados. Na imagem é possível possível observar algumas das principais diferenças para confecção de uma prótese ou de um guia cirúrgico utilizando cada processo. Enquanto isso, o Quadro 1 mostra as principais característica de um processo comparado a outro.

Fluxo Analógico

  • Fluxo de trabalho mais complexo e passível de falhas (como uma moldagem inadequada, presença de bolhas, etc.)
  • Possível desconforto para o paciente na moldagem
  • Mais etapas laboratoriais
  • Dificuldade de transmissão de dados à outros profissionais e laboratórios: usualmente via correio
  • Maior tempo de atendimento clínico
  • Maior ocupação dos espaços físicos para armazenamento de moldes e modelos

Fluxo Digital

  • Fluxo de trabalho mais simples
  • Menor desconforto para o paciente
  • Menos etapas laboratoriais
  • Maior facilidade na transmissão de dados à outros profissionais e laboratórios
  • Menor tempo de atendimento clínico
  • Mínimo de ocupação dos espaços físicos
  • Facilidade de armazenamento de dados por meio digital
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Fabrício Ogliari

Fabrício Ogliari

Diretor Yller Biomateriais
postagens recentes
Odontologia
Johnny Santana

Guia completo sobre a odontologia no Brasil

O mercado odontológico tem passado por transformações nos últimos anos. Para não ficar por fora, nada melhor que se atualizar constantemente sobre o tema. Leia este artigo completo sobre o tema e fique informado.

Confira

Deixe uma resposta

×