Biomateriais: tudo o que você precisa saber!
Não é incomum encontrar dentistas e pacientes que não entendem muito sobre os biomateriais e resultados que ele pode trazer. Deixe esse problema para trás agora mesmo. Leia este post completo sobre o assunto!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Quem está verdadeiramente antenado ao universo da saúde (incluindo a atuação odontológica), já percebeu que os biomateriais estão super em alta! Eles ganham cada vez mais espaço e prometem arrebatar mais corações!

Ainda assim, não é incomum encontrar dentistas e pacientes que não entendem muito sobre o tema e resultados que ele pode trazer. Pensando nisso, criamos um artigo completíssimo com tudo que você precisa saber sobre o assunto.

Aqui, explicaremos o que são os biomateriais, os principais tipos disponíveis no mercado, as possíveis aplicações na odontologia, as vantagens que pode trazer consigo e, por fim, as perspectivas de uso para o futuro. Portanto, se você ficou curioso e quer se informar de forma consistente, não deixe de ler este conteúdo até o final. Vamos juntos mais uma vez?

Afinal de contas, o que são biomateriais?

Antes de entender detalhes de como ele pode ser incorporado nos tratamentos e no dia a dia da clínica, o melhor caminho é começarmos compreendendo o que são os biomateriais. Pode ser que você esteja querendo saber suas aplicações na odontologia, mas isso tudo pode ficar mais difícil sem entender esse tópico no detalhe.

Definição

Bem, como o próprio nome indica, os biomateriais são materiais. Por mais óbvio que pareça, esse é o primeiro ponto.

Eles podem ser usados no organismo humano com o objetivo de reparar ou, ainda, substituir os tecidos que estão em falta. Pela associação com a nomenclatura, muitas pessoas logo pensam que são de origem natural — e realmente podem ser. Ainda assim, é bom destacar que também podem ser sintetizados em laboratórios (e atingir os mesmos resultados).

De um modo geral, eles também são definidos como dispositivos que entram em contato com os sistemas biológicos. Justamente por isso, têm aplicações em diagnósticos, vacinas, cirurgias ou terapias. Como você pode perceber, sua atuação é muito significativa na área da saúde.

Eles são capazes de interagir com o corpo humano e trazer muitas melhorias. Isso porque podem substituir ossos e membranas de colágeno. Essa é uma forma de trazer qualidade de vida para os pacientes. Os biomateriais são muito usados na odontologia justamente com esse papel regenerativo, mas também podem ter aplicações em outras áreas.

Objetivo

O objetivo de sua aplicação é promover a formação de um novo osso ou tecido mole. Como a maioria dos biomateriais são derivados de material natural ou sintético, mas que são muito semelhantes ao tecido humano, eles são altamente adequados para promover a formação de um novo osso e/ou cicatrização de tecido.

Depois de atuarem como estímulo para uma produção natural do próprio organismo, eles são integrados durante o processo de cicatrização ou decompostos de forma natural e gradual por meio dos processos metabólicos que acontecem a todo momento no organismo.

Ainda assim, é bom tomar cuidado e adotar o uso apenas dos produtos indicados. Isso porque, como são usados em contato direto com alguns tecidos biológicos (como a polpa e a dentina), podem provocar reações ou alergias.

Por essas e outras, seu uso deve ser feito com cautela. Essa é a melhor forma de garantir os resultados esperados e reduzir consideravelmente a chance de o paciente ter que lidar com alguma situação difícil.

Quais os principais tipos de biomateriais?

Depois de entender um pouco melhor o que são os biomateriais e como eles funcionam no organismo, é hora de conhecer os principais tipos deles. Essa é uma maneira de expandir sua mente e entender do que realmente estamos falando.

Veja alguns abaixo e entenda quais são as características que os diferenciam.

Metais

Os metais são uma das matérias-primas mais bem-aceitas, pois apresentam um excelente desempenho mecânico — sem contar que eles também têm alta resistência, um ponto que faz toda diferença para quem procura alternativas duradouras.

Por essa razão, ele tem sido usado como um elemento de substituição, reforço ou estabilização de tecidos com um aspecto mais rígido. No caso da odontologia, a aplicação de implantes dentários está entre as mais comuns.

Suas propriedades são tão bem-vistas que também são exploradas em instrumentação cirúrgica, como pinças, tesouras, agulhas e fórceps. Podemos destacar o aço inoxidável e ligas de titânio entre os metais mais utilizados nesses casos. Os metais nobres (como ouro e prata) também costumam ser bem-aceitos, mas o alto custo e alta densidades podem inviabilizar algumas aplicações.

Para que sejam aplicados de forma correta e segura no corpo humano, é importante considerar uma série de requisitos e recomendações. De maneira bem óbvia, eles devem ser biocompatíveis para evitar as reações inflamatórias, alérgicas ou tóxicas. Somado a isso, devem também ser testadas e apresentar resistência a possíveis corrosões.

Polímeros

Os polímeros também ganham destaque quando o assunto são os biomateriais. Nada mais natural, já que eles apresentam uma alta facilidade de fabricação (principalmente quando comparados com os modelos metálicos ou cerâmicos), podem ser criados com uma variedade de fórmulas e excelentes custo-benefícios.

Esses são aspectos que fazem diferença para os dentistas e pacientes, não é mesmo? De maneira similar aos metais, é importante ser cauteloso na hora de escolher o material que vai usar. Isso porque eles podem apresentar propriedades um tanto quanto particulares, então, é bom saber qual é o tipo de polímero que vai explorar e seguir com uma aplicação específica para cada caso.

Vale destacar que essa não é uma tendência ou ainda um novo tipo de aplicação. É isso mesmo: esse tipo de material vem sendo usado na odontologia desde o século XIX. Entre a usabilidade mais comum, podemos destacar uma grande variedade de materiais odontológicos, desde os de moldagem até os que são usados em cirurgias.

Para fechar, é importante saber que como eles apresentam a baixa densidade como uma de suas principais características, tornaram-se adequados para substituir tecidos moles na boca, mas não podem ser tóxicos de forma alguma.

Cerâmicas

As cerâmicas também são ótimas alternativas para o desenvolvimento de biomateriais. Entre suas principais aplicações podemos destacar os dispositivos para a reconstrução odontológica e maxilofacial, mas sua atuação é muito mais abrangente.

O papel vasto se deve às propriedades do material e a alta compatibilidade química da cerâmica com os tecidos mais rígidos, como ossos e dentes. Esse aspecto faz com que seja um ótimo indicativo para tratamentos desse tipo.

Somado a isso, vale destacar que a cerâmica também é um composto inorgânico, sendo normalmente formada por meio de elementos metálicos e não metálicos unidos por meio de ligações iônicas. Esse aspecto pode soar complexo, mas faz com que ela se comporte com baixa condutividade elétrica e térmica — uma vantagem significativa.

Os materiais desse tipo também são resistentes ao desgaste, compressão e apresentam estabilidade em ambientes ácidos.

Como contraponto, não dá para negar que esse biomaterial também tem desvantagens (assim como qualquer outro). Podemos destacar aqui a baixa resistência mecânica e a não presença de microporosidade, um aspecto que dificulta o crescimento celular em seu interior.

Quais as aplicações dos biomateriais na odontologia?

Agora que você já sabe quais são os tipos mais comuns de biomateriais, é bem provável que queira saber como eles podem ser explorados no mercado odontológico, certo? Pois bem, conheça algumas abaixo e surpreenda-se!

Antes, porém, decidimos destacar que seu papel de atuação é mais amplo que os itens elencados abaixo. Embora eles estejam entre os mais relevantes e procurados, tenha em mente que sua aplicação é ainda maior e evite ficar limitado a esses exemplos.

Prótese

As próteses dentárias têm sido feitas com biomateriais há muitos anos. Mas se você não acredita, basta pensar como os dentes de ouro fizeram muito sucesso há alguns anos e, até hoje, contam com um alto número de adeptos.

Isso acontece porque eles têm uma grande facilidade de aderência ao corpo, assim, é natural que continuem em alta. Além disso, muitos pacientes gostam do “status” de ter um dente com um metal nobre (outro ponto que justifica sua alta procura).

O que poucas pessoas pararam para pensar é que elas também representam o futuro. É claro que ele não precisa se limitar aos metais nobres, mas contar com a ajuda de outros biomateriais, como as cerâmicas, resinas e outras alternativas também é muito importante.

Pensando em uma atuação ainda mais ampla, os polímeros são verdadeiros aliados na base de próteses, assim como outros componentes que podem ser muito usados em materiais de impressão (como os polissulfetos ou poliéteres). Por fim, as cerâmicas também podem ser exploradas para confeccionar coroas de porcelana e modelos bioativos. Interessante, não é mesmo?

Restauração

As restaurações também podem atingir resultados bem melhores quando os materiais certos são explorados no tratamento. O procedimento é muito usado e tem como objetivo fazer com que um dente afetado por uma cárie ou canal volte ao estado normal.

Tudo isso é feito pela retirada da parte do dente que está deteriorada e foi consumida. Esse espaço que precisa ser preenchido mais tarde com o material de restauração — falaremos um pouco mais sobre isso em um dos tópicos abaixo.

Os materiais explorados podem ser de ouro, porcelana ou, ainda, outro tipo de material. Como adiantamos, o ouro é muito bem-aceito pelos tecidos gengivais e podem apresentar alta durabilidade (o que faz com que seja considerado a melhor opção em muitos casos).

Ainda assim, a escolha do material deve considerar a especificidade de cada paciente, assim como sua condição financeira para arcar com o tratamento. Lembre-se de que existem outros tipos de biomateriais, então, nada de se limitar!

Implante

Os implantes dentários também têm uma relação direta com o uso de biomateriais na odontologia. A procura por esse tipo de procedimento cresceu consideravelmente nos últimos anos, devolvendo autoestima e qualidade de vida para muitos pacientes.

Como a implantação também apresenta um contato direto com o corpo (tendo em vista que o dente implantado fica colado com a gengiva e polpa), é importante que ela seja de um material que apresente alta aderência e baixa possibilidade de rejeição. Isso porque, dependendo da sua composição, ele pode provocar irritações e alergias na região em que foi implantado.

Por isso, é importante ser criterioso e considerar qual o melhor caminho seguir com calma. Dessa maneira, fica mais fácil de evitar situações desconfortáveis ou — em casos mais extremos — até mesmo a possibilidade de rejeição do implante.

Preenchimento de cavidades

A restauração é um exemplo de procedimento que também deve contar com o preenchimento de cavidades. Isso porque os espaços dos dentes precisam ser preenchidos antes de serem fechados.

Essa é uma forma de evitar que a região fique enfraquecida, pois realizar a restauração sem o preenchimento pode tornar o dente frágil a qualquer tipo de impacto. Esse ponto, inclusive, pode provocar dentes quebrados ou trincados.

A boa notícia é que esse processo de preenchimento de cavidades também pode ser feito com os biomateriais. Essa é uma forma eficiente de garantir que sejam mais facilmente aceitos pelo organismo e, também, de proteger a região.

Quais as vantagens do uso dos biomateriais na odontologia?

Quando falamos que traríamos um material completo com tudo que você precisava saber sobre biomateriais na odontologia, pode ser que você não tenha pensado que realmente entregaríamos todas as informações que estão aqui, não é mesmo?

Pois bem, para completar sua visão sobre o tema, é importante saber quais são as possíveis vantagens que o uso dos biomateriais podem trazer para quem atua no mercado odontológico.

Elas podem ser muito diversas, mas elencamos algumas das principais abaixo para que você consiga dimensionar um pouco melhor os ganhos que pode ter ao adotar esses componentes em seu consultório odontológico. Veja!

Reparação de defeitos

Os defeitos e outras situações de incômodo podem ser reparadas com mais facilidade com o uso dos materiais certos. Isso porque, além de terem uma grande aceitação pelos pacientes, eles também podem garantir resultados mais naturais e com alta taxa de sucesso.

Quando falamos em reparação de defeitos, é bom destacar que isso representa um grande leque de atuação no mercado odontológico, pois muitos dos problemas tratados na cadeira do dentista podem se enquadrar nesse perfil.

É isso mesmo: conforme adiantamos, alguns componentes podem ter uma durabilidade muito maior que outros — e não dá para negar que esse aspecto influencia muito em como as pessoas percebem os resultados dos tratamentos ortodônticos.

Portanto, quem quer garantir um bom resultado na hora de reparar defeitos, não pode deixar de considerar os biomateriais como verdadeiros aliados nesse processo.

Realização de procedimentos menos invasivos

As altas taxas de sucesso na aplicação dos biomateriais se devem a muitos fatores, mas a possibilidade de explorá-lo em procedimentos menos invasivos é um grande ganho. Afinal de contas, procedimentos desse tipo são verdadeiros “queridinhos” de muitas pessoas.

Sejamos francos: a maioria das pessoas não vão querer um tratamento mais complexo se existe a possibilidade de optar por algo menos invasivo e com os mesmos resultados. Nada mais natural, já que (quase) todo mundo prefere resolver suas situações e problemas da forma mais prática possível.

Como os pacientes têm se encantado com essa oportunidade, nada mais natural que os profissionais caminharem no mesmo sentido — e uma das mudanças envolve a alteração do tipo de material. Por isso, lembre-se de que os biomateriais são ótimas alternativas nesse sentido!

Otimização do trabalho do profissional

O trabalho do profissional envolvido e engajado com essa prática também é otimizado de forma significativa. A começar porque os resultados e taxas de aceitação são altíssimos, um ponto que evita a necessidade de retrabalho ou outras intervenções do tipo. Esse ponto soa “como música para os ouvidos”, não é mesmo?

Além disso, essa é uma forma de ser percebido como uma profissional antenado e à procura das melhores alternativas para atender seu público. Os pacientes conseguem perceber quando o dentista está usando o melhor material para determinado caso, sendo assim, é bom não subestimar esse tipo de “feeling”.

Como você pode perceber, esse é um tipo de relação “ganha-ganha”. O dentista ganha com a otimização do trabalho e o paciente, por sua vez, consegue desfrutar de resultados melhores.

Proporcionar maior conforto ao paciente

Para fechar, não poderíamos deixar de destacar esse aspecto que faz toda diferença. Não tem muito como fugir: a melhor forma de fidelizar um paciente é oferecer tratamentos e alternativas que tragam uma boa experiência para ele (seja antes, durante ou depois do tratamento).

A associação de conforto é um grande ganho, principalmente depois de ser submetido a um tratamento odontológico. Isso porque muitos deles logo fazem uma associação de que uma intervenção desse tipo está relacionada à dor e ao desconforto.

É justamente isso que os biomateriais promovem: uma possibilidade de tornar tudo mais simples e confortável! Mais um motivo para explorar esse tipo de solução no seu consultório.

O que esperar dos biomateriais para o futuro?

Agora que você entende um pouco melhor como os biomateriais funcionam e como prometem ganhar ainda mais espaço daqui para frente, veja um panorama sobre o que esperar desses componentes para o futuro!

Expansão do mercado

O mercado é expressivo e promete crescer consideravelmente nos próximos anos. Segundo dados divulgados recentemente, hoje, o desenvolvimento desse mercado já estimula 150 milhões de lentes de contato por ano. Esse é apenas um exemplo, mas que mostra como o mercado vivenciou uma expansão nos últimos anos.

Outra prova disso é que ele movimenta bilhões de reais a cada novo ano (só no Brasil foram 690 milhões de dólares em 2010).

É importante destacar que a odontologia não é a única área que se beneficia com materiais desse tipo. Eles também são usados para a confecção de cateteres, próteses de quadril, dispositivos para hemodiálise e outras funcionalidades da área da saúde. A sua atuação é muito ampla e deve ter ainda mais espaço daqui para frente.

Motivos de crescimento do mercado

O crescimento é impulsionado por três grandes pilares: o envelhecimento da população mundial (seguido de uma elevação na expectativa de vida), aumento do poder aquisitivo nos países em desenvolvimento e, por fim, melhorias tecnológicas na abordagem de doenças que não eram tratadas.

Como esses são cenários que não devem ser alterados com facilidade, é importante perceber a oportunidade que ele representa para os próximos anos. Fique atento às próximas expansões e possíveis entregas.

Produção de novos biomateriais

Considerando esse cenário de crescimento de demanda, muitas empresas estão dedicadas a investigar e produzidos novos biomateriais. Eles podem surgir da fusão de alguns componentes (de forma mais natural) ou, ainda, serem criados de forma sintética.

Como adiantamos, os dois tipos podem ser enquadrados como biomateriais, dessa forma, não precisa se apegar à necessidade (ou desejo) de querer apenas os que não são sintéticos. Os sintéticos trazem consigo os mesmos resultados e aceitação do organismo.

Conforme esse mercado ganha mais espaço, é provável que novos biomateriais sejam lançados e estejam disponíveis nos próximos anos. O resultado disso tudo é a possibilidade de tratamentos ainda melhores e resultados mais efetivos para os pacientes.

Aumento da diversidade de aplicações

O último ponto que abordamos é o aumento de possibilidades de aplicações. A procura por produtos segue crescendo, mas o crescimento do mercado também deve expandir no sentido de diversidade de aplicações.

Isso significa que teremos, sim, uma procura ainda maior pelo que já foi criado, mas, em outra vertente, também vai aumentar muito quando novas aplicações forem desenvolvidas.

Várias empresas seguem pesquisando outras possibilidades de aplicação e, quando falamos em perspectivas para os próximos anos, não dá para negar que essa é uma grande expectativa. Portanto, fique atento para as inovações e novidades que devem chegar no mercado daqui para frente!

Agora que você entende melhor o universo dos biomateriais, estamos certos de que ficou mais fácil entender sua importância. Como adiantamos, ele é usado na odontologia há anos, mas deve ganhar ainda mais espaço daqui para frente. O mercado deve continuar crescendo de forma significativa, trazendo melhorias para a qualidade de vida humana.

Enfim, se você gostou do assunto, provavelmente percebeu que ele tem uma relação direta com a escolha dos fornecedores. Nada mais natural, já que eles são os responsáveis por trazer materiais de qualidade para o seu consultório. Então, aproveite para ler nosso artigo sobre a importância desse tema agora mesmo. Nos encontramos por lá!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Fabrício Ogliari

Fabrício Ogliari

Diretor Yller Biomateriais
postagens recentes
Impressão 3D
Johnny Santana

Dicas YLLER: Como obter sucesso na sua impressão 3D.

Cada vez mais encontramos a tecnologia presente na odontologia e o uso das impressoras 3D é crescente. Portanto, se você tem dúvidas de como realizar todo o processo de impressão 3D corretamente, aqui separamos alguns passos muito importantes para que tudo ocorra com sucesso. Leia!

Confira

Deixe uma resposta

×